Brasilidade na maior feira de música do mundo

///Brasilidade na maior feira de música do mundo

Brasilidade na maior feira de música do mundo

Anafima na Musikmesse 2011

No grande estande da Anafima, temas brasileiros lembram Copacabana

Realizada entre os dias 06 e 09 de abril, na Alemanha, a Musikmesse pode ser considerada a maior feira do mundo da indústria da música. Fabricantes de todas as partes do planeta se reúnem em Frankfurt para o lançamento das últimas tendências do mercado de áudio e instrumentos musicais (confira as coberturas de feiras nacionais e internacionais do Overdubbing). O Brasil também se fez presente no evento por meio da Associação Nacional dos Fabricantes de Instrumentos Musicais e Áudio (Anafima), com a participação de sete empresas nacionais. São elas a Alba (baquetas), Octagon e Izzo Musical (percussão), Meteoro (amplificadores), RMV e Odery (percussão e bateria) e a Santo Angelo (cabos e acessórios). Para entender um pouco melhor como funciona a engrenagem que movimenta a participação brasileira em um megaevento internacional, conversamos com Rogério Raso e Marcelo Segatti, respectivamente diretor financeiro e gerente de projetos da Anafima.

Anafima na Musikmesse 2011

Parte do grupo que formou o pavilhão brasileiro na Messe

Quantas vezes a Anafima já participou da Musikmesse?
Rogério:
Essa é a 4ª participação da atual gestão da Anafima. Na verdade, empresas brasileiras do setor já participam desse evento há muitos anos, como a Giannini e a Weril. Com a mudança de foco e o reconhecimento dos instrumentos brasileiros de percussão, incluindo a forte presença de pequenas e médias empresas, a Anafima, contando com o apoio da Apex, vem permitindo que novas empresas se apresentem de forma consistente e profissional há quatro edições da Musikmesse.

Como se deu o trabalho da Anafima na Alemanha?
Marcelo:
Da mesma maneira que nos últimos anos, buscamos a melhor opção para as empresas interessadas em participar desse evento. Foi alugado um espaço no pavilhão 3 da Messe Frankfurt, tradicionalmente dirigido para instrumentos de bateria e percussão, e lá montado um estande conjunto com as empresas nacionais. Com estandes em formato “clean”, este ano conseguimos mostrar, com coerência e competência, os destaques dos produtos brasileiros.

Quais são os objetivos da Anafima em participar da feira?
Rogério:
Estamos no estágio de consolidar a marca Brasil, não só em instrumentos musicais, mas também como música, cultura e turismo. Tanto é que a passagem entre os estandes foi decorada com motivos que lembram a famosa “calçada de Copacabana”, com suas curvas características. Nosso objetivo não era somente vender instrumentos, mas também a forma brasileira de tocá-los, algo impossível de copiar pelos demais concorrentes internacionais. Sabemos que é muito difícil avaliar, mas, certamente, muitos que visitaram o estande Anafima se interessaram em conhecer o Brasil e a sua exuberante cultura musical.

Para o Brasil, qual é a importância em participar da Musikmesse?
Rogério:
A Musikmesse é a maior vitrine mundial de negócios no setor de instrumentos musicais e áudio. Lá estão presentes todos os grandes fabricantes mundiais e, sem dúvida, é a melhor oportunidade de visualização de nossas empresas e produtos no comércio exterior em geral. Especificamente para o mercado americano, a Anafima tem levado os mesmo conceitos para a NAMM, feira similar, que acorre sempre no mês de janeiro nos EUA.

Estande da Anafima na Musikmesse

Estande da RMV na Musikmesse

Como a associação vem trabalhando a imagem da indústria da música brasileira no mercado externo?
Rogério:
Procuramos mostrar que a qualidade da música brasileira e dos instrumentos nacionais é muito grande, devido, na maior parte, ao cuidado na fabricação, feita praticamente de forma artesanal e totalmente customizada para o consumidor. A produção manual em escala reduzida possui diferenciais que não se encontra na China, por exemplo, ou em outros países produtores. O contraponto tecnológico do estande foram os produtos Green Connections apresentados pela Santo Ângelo, empresa certificada e orientada para a sustentabilidade do Meio Ambiente. Assim, mostramos uma imagem moderna e, ao mesmo tempo, artesanal do nosso setor, contribuindo para a visão geral altamente confiável de toda a indústria brasileira.

Estande da Santo Angelo na MusikmesseComo foi a representatividade da Apex nesta edição da feira?
Marcelo:
Este ano, a Apex enviou o seu gestor de projetos Bruno Amado, que participa pela segunda vez da feira. Na ocasião, ele comentou sobre a melhoria na apresentação visual dos estandes da Anafima, do que podemos chamar de pavilhão Brasileiro. Além disso, o gestor também se mostrou muito animado com os novos projetos que serão apresentados oficialmente a Apex no próximo Projeto do Setor de Instrumentos Musicais e Áudio.

Quais foram os números da Musikmesse 2011 para a Anafima?
Rogério:
Os números ainda não são oficiais, mas estimamos um crescimento de 15% nas exportações das empresas presentes em relação ao último ano. Comércio internacional, principalmente no setor de instrumentos musicais, depende muito da confiança entre os envolvidos, sendo que a presença constante é fundamental para a construção dessa relação. Sem falar que a inovação das empresas brasileiras, como as baquetas “escalopadas” da Alba, os pratos inéditos de percussão da Octagon, a bateria acústica com efeitos eletrônicos da RMV, a diversificação dos produtos Izzo e Odery, além dos cabos Vintage da Santo Angelo, acabaram surpreendendo todos os visitantes, internacionais e brasilerios que compareceram ao evento.

2011-04-20T12:12:48+00:00 abril 20th, 2011|Categories: feiras, Musikmesse|Tags: , , , |

About the Author:

One Comment

  1. Ronaldo Carvalho abril 20, 2011 at 12:45 pm - Reply

    Legal ver o trabalho do pessoal daqui, tendo seu espaço conquistado aos poucos lá fora! parabéns pela matéria!

Leave A Comment