Que computador usar? PC ou Mac?

///Que computador usar? PC ou Mac?

Que computador usar? PC ou Mac?

Olá, queridos leitores! Faz um bom tempo que não nos vemos, não é mesmo? Isso tem um motivo: estamos preparando algo novo aqui no Overdubbing, para tornar a coluna de produção musical mais interessante. Eu e o editor do site, André Iunes Pinto, gastamos bastante tempo, mufa e alguns chopps matutando esse novo recurso que vai poder trazer pra vocês técnicas interessantes para melhorar os seus trabalhos em estúdio (ou em casa).

Mas, enquanto a novidade não fica pronta, eu trouxe mais um assunto polêmico, porém muito rico, que várias vezes buzina a nossa orelha ao trabalhar com áudio: Mac ou PC?

Com a popularização e as estratégias da Apple no Brasil, os preços dos Macs estão caindo cada vez mais. Entretanto, os PCs continuam custando, às vezes, um terço do preço de um Mac. Se você visitar os fóruns da internet, gringos ou nacionais, vai encontrar os usuários da maçã louvando seus sistemas enquanto os usuários de PC dizendo que conseguem fazer o mesmo com muito menos dinheiro. E aí, o que fazer?

Isso leva o assunto para uma perspectiva ainda maior. Em se tratando de sistemas PC, rodando Windows (o Linux ainda não tem muita variedade de soluções para áudio), há basicamente duas formas de se comprar um computador: montando peça-a-peça, ou comprando uma solução fechada de empresas como Dell, HP, ou Sony.

O primeiro caso talvez seja o mais popular, visto que você pode economizar bastante dinheiro escolhendo meticulosamente cada componente do seu PC. Entretanto, esse método obriga o usuário a conhecer especificamente as necessidades de hardware que o seu DAW possui (pra quem perdeu o último texto, DAW significa Digital Audio Workstation. São os programas como Pro Tools, Sonar, Cubase e Logic). Digo isso, pois, frequentemente, encontro em fóruns pessoas dizendo que montaram um computador novinho em folha, entretanto o programa X que usavam não está rodando bem (ou sequer rodando).

Cada programa possui as suas recomendações e incompatibilidades com certos hardwares. Por isso, é indispensável que você procure informações a respeito com os fabricantes do software que você usar. No caso do Pro Tools, a Avid disponibiliza uma lista de incompatibilidades e também uma avaliação dos principais sistemas de computadores, PC e Mac. Se você pretende usar esse programa, vale a pena dar uma olhada cuidadosa nisso. No PC, o Pro Tools é campeão de incompatibilidades.

Outro problema que recorrer nos sistemas montados peça-a-peça é a procedência delas. É muito comum encontrarmos no mercado peças recondicionadas (que vieram com defeito de fabricação, foram devolvidas, consertadas e depois revendidas) e até mesmo falsificadas. É preciso ter cuidado também com a loja onde se compra essas peças. Verifique se a loja já possui credibilidade com seus conhecidos, se ela já está estabelecida há algum tempo no mesmo lugar, etc. Já soube de casos em que a loja fechou e não havia mais ninguém para dar garantia. Não deixe de exigir a nota fiscal de compra!!!

O segundo modo de se comprar um PC é recorrendo às soluções completas das empresas que citei logo acima. Dessa maneira, você reduz o nível de incompatibilidades (mas não o exime da responsabilidade de verificar se o que você está comprando é, ou não, compatível com o seu software) e ainda facilita a sua vida, visto que a garantia de qualquer peça do computador será dada em um mesmo lugar. Imagine que, no outro método, você comprou a memória RAM em um lugar, a placa-mãe em outro, o processador em outro, os HD’s em outro, o drive de DVD em outro, a placa de vídeo em outro…. Viu o tamanho da dor-de-cabeça?

A Apple se insere nessa categoria de modelo completo oferecido por uma empresa. Entretanto, sua arquitetura é totalmente fechada, usando somente um tipo de peça que é perfeitamente casada com a configuração da sua máquina. Isso está embutido no preço até 3 vezes mais caro que um PC. Antes de pensarmos se realmente vale a pena, vamos analisar mais alguns aspectos.

SISTEMA OPERACIONAL

O recém-lançado Windows 7 tem sido muito elogiado com relação à sua estabilidade, gerenciamento de memória e velocidade. Diferentemente dos seus antecessores Vista e XP, esse sistema operacional está aceitando muito bem os sistemas de áudio. No quesito software, me parece que ele está se equiparando ao Mac OSX. Por isso, se você optar por um PC, eu recomendaria o Windows 7 (até porque os fabricantes estão nos impondo ele, diga-se de passagem).

E ENTÃO, PC OU MAC?

Pela minha experiência pessoal, os Macs são amplamente encontrados nos estúdios da vida. Geralmente atrelado ao Pro Tools, o Mac tem a fama de conseguir compatibilidade completa com os sistemas baseados nesse DAW. Eu já trabalhei com Pro Tools em diversos PC’s e nunca obtive o mesmo desempenho que eu obtive usando-o em um Mac. Entretanto, nunca deixei de trabalhar com Pro Tools no PC por causa disso. Recomendo que você objetive bem a sua necessidade. Se você está fazendo dinheiro com seus trabalhos, é importante investir em um sistema mais estável. E para isso, recomendaria uma solução completa de uma das marcas que citei, incluindo a Apple. Se está apenas começando nesse mundo, pode optar por uma máquina mais modesta, mas é bom sempre dimensionar a sua compra, para daqui a um ano você não se arrepender de não poder expandir a sua máquina.

OUTROS “DETALHES” IMPORTANTES

Se possível, utilize sempre dois HDs: um para o sistema operacional e a instalação de seus programas e outro para a gravação em áudio. Isso poupa o trabalho do sistema operacional em gerenciar o acesso em disco dos seus programas e, ainda por cima, gravar e reproduzir áudio. Lembrem que o HD possui uma agulha que precisa se deslocar o tempo todo. E, convenhamos, hoje em dia um HD custa bem pouco.

Evite, também, usar o seu sistema para jogar, acessar internet, armazenar fotos e coisas pessoais e ainda por cima fazer seus trabalhos em áudio. Se possível, tenha uma máquina dedicada a essa tarefa. Se não for possível, considere partionar o seu HD do sistema e instalar uma outra versão do sistema operacional apenas para áudio, sem acesso à internet e nenhuma buginganga.

É isso aí, espero que eu tenha ajudado vocês a clarear os pensamentos na hora de fazer uma compra desse porte. Para quem tiver ainda alguma dúvida, pode entrar em contato comigo através do e-mail sergiorangelfilho@gmail.com.

Um abraço e até a próxima!

Sergio Filho é guitarrista do Tchopu e produtor musical.

2011-03-13T20:46:34+00:00 março 13th, 2011|Categories: Produção musical|Tags: , , , , |

About the Author:

10 Comments

  1. Gabriel Mathias março 14, 2011 at 6:34 am - Reply

    Muito bom, cara!

  2. André Iunes Pinto março 14, 2011 at 9:34 am - Reply

    Fala, Sergio,

    Bom artigo com exemplos de aplicação no mundo real!

    Abs!

  3. lino março 15, 2011 at 5:36 pm - Reply

    Sérgio, parabéns!
    Bom artigo, embora acabei optando por um note pc (economia de orçamento…grana curta..rsrs), estou ainda comprando equipamentos para montar meu home, embora o foco dele seja outro (sou Locutor e pretendo trabalhar com gravação de voz e produção de vinhetas e trilhas e restauração de áudio).
    Mas, depois que fiz um curso na área de áudio fiquei muito ligado nisso tudo e toda informação, bem embasada, vem somar.

  4. Sergio Pai março 15, 2011 at 7:59 pm - Reply

    Oi filho, seu texto do novo artigo do Overdubbing está muito bom. Gostei muito, como sempre você tem uma sensibilidade legal para transpor uma idéia para o texto na medida certa, sem falar excessivamente , mas mostrando os prós e contras das decisões tomadas. Você conseguiu mostrar o que deve ser visto e os cuidados a serem tomados em todas as situações relatadas e seu texto será bem recebido por todos. Continue assim, nesse tom, que está muito bom. Parabéns!

  5. tim março 16, 2011 at 11:51 am - Reply

    Legal Sérgio.

    Acredito que quem busca profissionalização tende ao MAC.

    Abraço.

  6. tim março 16, 2011 at 11:52 am - Reply

    Legal Sérgio.

    Acredito que quem busca profissionalização tende ao MAC mesmo. Plataforma mais estável e trabalhadeira, hehe.

    Abraço.

  7. Rodrigo março 16, 2011 at 12:37 pm - Reply

    Muito bom o assunto.

    Se puder ($$) e quiser começar num mac vá em frente! Se sua opção é PC vai tambem!
    Como disse antes, investimento vem com o aprendizado, com o crescimento profissional, com a necessidade de melhorar.
    Um bom profissional pode usar tanto o mac quanto o pc.
    Abraço!

  8. Leo março 16, 2011 at 2:21 pm - Reply

    faltou esclarecer alguns mitos dessa infinita historia, comentei la no topico da comunidade Audiolosofia.

    Abraço!

  9. Sergio Filho março 17, 2011 at 8:33 am - Reply

    Pra quem quiser acompanhar a discussão que esse texto levou na comunidade Audiolosofia (na minha opinião, a melhor comunidade do Orkut), é só seguir o link abaixo. O Léo explicou muitos detalhes do ponto de vista da arquitetura dos PC’s e pode ser muito útil pra quem quiser saber mais.

    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=104421147&tid=5583902336050073245&na=1&nst=1

  10. Guilherme março 18, 2011 at 7:16 pm - Reply

    Ótima matéria, bem esclarecedora, bem imparcial, e principalemnte muito útil!

    Que continue assim!

    Abraço!

Leave A Comment